terça-feira, 25 de maio de 2010

Hoje foi 1 dia emocionante e especial. Samira Nahid de Mesquita ressuscitou através das lindas homenagens prestadas pela UFRJ

Samira está dentro de nós, com lembranças e ensinamentos de vida fundamentais. O afeto, a alegria, o sonho, a utopia, a educação, a liberdade com responsabilidade, a família, os amigos... O amor pelo ser humano, a importância da indagação e da não repetição dos velhos jargões, o respeito pelas diferenças, pela singularidade, a delicadeza, a elegância, tudo isso é Samira. Pura luX e amor. O mundo ficou melhor com sua passagem pela terra. E o Brasil também, por ter tido uma mestre de tamanha envergadura, simples, doce, amorosa e guerreira. O Brasil precisava conhecer esse ser tão especial que contribuiu na formação de tanta gente, que foi além da acadêmica, mas de vida.
Hoje, 16 anos após o seu falecimento, ela recebeu várias homenagens na UFRJ, além de reeditarem a Semana Cultural que ela criou quando foi Decana do Centro de Letras e Artes e que agora carrega o seu nome, inauguramos a Praça Samira Nahid de Mesquita, e o Salão Azul do Prédio da Reitoria que agora também tem seu nome cunhado.
Foi tudo lindo e emocionante. Ouvir os depoimentos de colegas, funcionários, amigos, ex-alunos, familiares ressuscitou a chama amorosa de Samira em todos alí presentes.
Sou muito grata e feliz por pertencer a essa família, de ser sobrinha dessa mulher incrível, que foi fundamental na minha formação geral.
Te Amo!!!

3 comentários:

Leila Oli disse...

Ah, eu não sabia, senão teria ido, Lu!Tudo bem com vc?Saudades...bjs

luliX pandaglia disse...

Saudades tb!!! Valeu a visita...
Bjs,
luliX

Anônimo disse...

Hoje, 30.01.2013, aqui em São Paulo, li um livrinho muito interessante e bom. Comprei-o num sebo, assunto que me atrai: "O Enredo"
Quem é essa mulher, Samira Nahid de Mesquita?
Que pessoa maravilhosa!
Gostaria muito de conhecê-la; que clareza, que luz, que doçura!
Em sua busca, caí nas águas profundas deste site.
Aferi: meu coração estava certo.
Cheguei muitíssimo atrasado.
Atrasado mesmo?
Atrasado demais, demais, creio eu, mas sonho com ela e com o que verdadeiramente pôde representar a tantas pessoas.
Requiescat in pace!
Antônio Correa