terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Texto de autor desconhecido... Um Feliz olhar novo para todos vocês!!!!

Quando tudo é novidade
fotos e interferências luliX pandaglia 2008


Minha mãe menininha, Sylvinha, a rainha da Bélgica do Gantois me pediu para colocar esse texto no blog, uma boa reflexão...

O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho da sua história.O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e o AGORA.Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, chove demais... Mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia?Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho?Quero viver bem.O ano que passou foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Normal.Às vezes se espera demais das pessoas. Normal.A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor machucou. Normal.O próximo ano não vai ser diferente.Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança? O que eu desejo para todos nós é sabedoria!E que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência!Que todos consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim... Entender o amigo que não merece nossa melhor parte. Se ele decepcionou, passe-o para a categoria três, a dos colegas. Ou mude de classe, transforme-o em conhecido. Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém. O nosso desejo não se realizou? Beleza, não tava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra esse momento (me lembro sempre de um lance que eu adoro:CUIDADE COM SEUS DESEJOS, ELES PODEM SE TORNAR REALIDADE).
Chorar de dor, de solidão, de tristeza faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam diferentes. Desejo para todo mundo esse olhar especial.O próximo ano pode ser um ano especial, muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos e dermos a volta nisso.
Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro. O próximo ano pode ser o máximo, maravilhoso, lindo, espetacular... ou... pode ser puro orgulho!Depende de mim, de você!Pode ser. E que seja!!!FELIZ OLHAR NOVO !

Minha querida amiga Graça Carpes! Uma inspirada!!!!


Olhos de Açaí

o meu amor

tem olhos de açaí

e mesmo que nada me diga

quando mira minhas pupilas

energiza-me

energiza-me

energiza-me


- Graça Carpes -

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Com vcs Pedro Lago, o príncipe das águas... Um inspirado! Delícia total!!!!

Peles

Frio vento azul da noite
Escura, plenamente
Em meus ossos mais e mais
Expostos, em virtude do
Peito partido
Por beijos inexistentes,
Imaginados muito
Constantemente
No calor do vizon
Descansado, rolando nus
Molhando os pelos
Secos e de olhos fechados.
Pelas carnes retorcidas;
Pelos cheiros de salivas
E muitas palavras
Ao toque dos lábios
No arrepio de tudo.
De repente tremo ansioso
Que me toque logo,
Pois já nos sentimos tanto
Enquanto não despidos.
Ao primeiro estar fora
De mim, o frio bate,
E quero que me segure
Forte e me puxe para dentro
De tua pequena casa,
Tão úmidamente salgada
Pela chuva que propus
E quando enfim, meus olhos
Não verem mais,
Quero que me marque em dor e
Peça tudo que sou capaz.

Pedro Lago.

domingo, 28 de dezembro de 2008

Encontraram alguns escritos sobre Theodora Speranza


Parece que Theodora foi vista no parque da Niki de Saint Phalle na Toscana.


Pobre Theodora continua acreditando no amor...

Me lembro do Cazuza "Quem tem um sonho não dança..."

Na verdade parece que isso manteve Theodora viva, o sonho. E não me venham com verdades absolutas. Para esse narrador e sua personagem o sonho não acabou!!!!
Por que essa Divina diva desistiu da vida? Assunto difícil esse né não, caro leitor. Qual o sentido da vida?
Theodora não tinha medo da morte, mas da vida. Não foi sempre assim, de um modo geral, sempre amou a vida, enfrentando bravamente tudo o que a vida lhe oferecia. Ao mesmo tempo que representava um desafio, era uma dádiva, uma oportunidade, um milagre estar vivo e com saúde. Mas como somos frágeis e vulneráveis!!!

Por que não fomos educados para o inevitável, o inexorável, o imponderável: a morte????????
Fica essa pergunta no ar...
Será que temos o direito de decidirmos sobre a vida e a morte?
Theodora acreditava em vida após a morte.
Num curto período de tempo, ela sofreu os mais duros golpes. Perdeu subitamente vários amigos e familiares. Adoeceu de corpo e alma. Ficou triste, ficou só e isolou-se em seu castelo de conjecturas. Nada + fazia sentido. Trabalhar pra quê? Pragas contas do final do mês? Quanta estupidez pensava ela.
Ela queria amar e amava desesperadamente... mas sentia-se só, só, só....
Conquistou ao longo de sua vida uma série de amigos e foi o que de fato conseguiu mantê-la viva e vigorosa nesse planeta. Era uma romântica sonhadora. Dentro dela habitava o + cobiçado desejo da humanidade, isso não era nada original, mas parecia que estava fora de moda, o amor parceiro. Sem ele parecia que faltava algo essencial. Sentia um rombo na alma. Por + que tentasse preencher com amigos, família, trabalho, estudos, diversão e arte, faltava. De tempos em tempos instalava-se um vazio. Carecia de um amor exclusivo. Ela queria ser importante para alguém e vice-versa... Vai dizer que não é bom ser amado assim por alguém. Ao mesmo tempo não queria ser prisioneira de uma relação possessiva, limitante, castradora. Instalou-se o paradoxo!!! Como ter liberdade num amor exclusivo????
Seria possível encontrar alguém que respeitasse, confiasse e não cerceasse, aprisionasse?
Tentou tantas vezes em vão. Ela era livre sem ser leviana. Vivia intensamente as experiências humanas, afetivas, táteis, intelectuais, sexuais. Isso não era bem visto, mas ela tocava o foda-se e vivia. Quando falavam que ela dava pra todo mundo, ela respondia com uma frase de Leila Diniz que diz + ou - assim: "Eu dou pra todo mundo, mas não dou pra qualquer um."
Assim foi escrevendo uma história de vida marcada por encontros profundos e intensos. Significativos, criativos e divertidos. Uma vez disseram que para ela não era difícil viver o princípio do prazer, mas sim o de realidade. E tinham razão. Vamos combinar que não dá para viver a vida a seco. A arte proporcionou a convivência com a realidade, escapar da realidade, mas mesmo assim... ela estava sempre por um triz...
"Um belo dia resolvi mudar..."
O radinho de pilha da vizinha do primeiro andar do narrador tocava Rita Lee "Agora Só falta você" e isso era tudo o que Theodora queria, desejava...
"Um belo dia resolvi mudar
E fazer tudo o que eu queria fazer
Me libertei daquela vida vulgar
Que eu levava estando junto a você
E em tudo que eu faço
Existe um porquê
Eu sei que eu nasci

Sei que eu nasci pra saber
E fui andando sem pensar em voltar
E sem ligar pro que me aconteceu
Um belo dia vou lhe telefonar

Pra lhe dizer que aquele sonho cresceu
No ar que eu respiro, uu
Eu sinto prazer
De ser quem eu sou
De estar onde estou
Agora só falta você, iê, iê
Agora só falta você, aaa...
Agora só falta você, iê, iê
Agora só falta você, au!"

Bachianos: um trio de peso... um encontro celestial!!!

Ecoando...

As palavras do Chacal continuam reverberando dentro de mim...

sábado, 27 de dezembro de 2008

"PALAVRA CORPO" de Chacal

a palavra vive no papel
com vírgulas hífens crases reticências
leva uma vida reclusa de carmelita descalça


corpo palavra


o corpo aprendeu a ler na rua
com manchetes de jornais
jogadas na cara pelo vento
com gírias palavrões
zoando no ouvido
com gritos e sussurros
impressos na pele


palavra corpo


a palavra quer sair de si
a palavra quer cair no mundo
a palavra quer soar por aí
a palavra quer ir mais fundo
a palavra funda
a palavra quer
a palavra fala
- eu quero um corpo!


corpo palavra


o corpo sabe letras com gosto
de carne osso unha e gente
o corpo lê nas entrelinhas
o corpo conhece os sinais
o corpo não mente
o corpo quer dizer o que sabe
o corpo sabe
o corpo quer
o corpo diz:
- fala palavra!!!


palavracorpo corpopalavra

"Das Margens"de Adriana Monteiro de Barros

Meu poema não é feito da água dos rios,
mas de lágrimas que as águas dos rios levam.
Tenho um poema de urgências que me reinventam
a cada margem da vida.
Tudo em mim é líquido.
Meu poema é líquido.
Meus oceanos vazam enquanto nado em desertos.
Suo e sou a liquidez das manhãs
que transbordam incêndios em silêncios.
Dentro de mim mora um poema.
Dentro de mim mora um poema líquido.

sábado, 20 de dezembro de 2008

Não percam!!! George Israel e Banda no Mistura Fina hoje às 22:00h.

George Israel escreveu ontem, 19 de dezembro:

Vai no show do mistura fina Ipanema esse sábado?

George Israel + banda
com dance depois DJ Fabinho Santanna se quiser ir e fazer aquela lista amiga me passa!!! vamos a bailar!!!!!!!!

bjsss George
e olha q barato!!!!!
Homenagem a Oscar Niemeyer - animação com seus desenhos q hj faz 101 anoshttp://www.youtube.com/watch?v=W-SXr8gvRB0 de George Israel & Carlinhos Brown para coleção H Stern animação Andres Lieban

LINHAMEYER(George Israel / Carlinhos Brown)

linha da vida minha
linha da boa vista
linha riscando o riso
linha inventando o mundo


linha de mel
pão de açúcar
são linhas juntas
dá pra pescar do céu

linha que entorta as curvas
há de torcer as retas
há de entornar a lua
linha que ensina os olhos


chá de beber a chuva
linha de anel
som do papel
pra iluminar você


tudo que não dá no mundo
se inventa e passa a ter


há de ter doçura
há de ter verdade
há de ter você
ar que ter ternura


ESSE FILMINHO É POESIA PURA!!!! NÃO DEIXEM DE ASSISTIR É UM INSTANTE PLENO DE BELEZA.

Realmente rapazes (George e Carlinhos) "AR QUE TER TERNURA"!
Belo poema, linda música, com traços de delicadeza e simplicidade que caem como uma luva nos magníficos desenhos de nosso amado Oscar Niemeyer e com as preciosas animações de Andres Lieban. Parabéns!!!!

sábado, 13 de dezembro de 2008

Ao Guerreiro de Graça Carpes



Vejo o sol da manhã refletir-se ao teto branco.

Entre o fim da manhã e o enlevo da tarde invade a consciência.

Elevo o peito e corre um gosto ocre-daime feito o fio espiral a alcançar o

núcleo e o feto do

tempo produz o túnel enquanto o sol estica barbantes ao horizonte.

A saia verde faz-se rio denso e corre sobre o corpo e murmuro matas – não

sei se Oxum, não sei se Iara, mas

ri-se por mim e escancara jabuticabas entre as faces.

Tenho a América entre os dedos dos pés e os

tornozelos e sei que os xamãs têm a propriedade de

encurtar o corpo das doenças porque sabem sentir e tudo

vira coisa e cresce e

cria nó e pó, depois que ele a pega no

ar feito corpo celeste.

Que nos livrem do mal todos os Orixás e que

o coração de Kiara esteja protegido também

pela beleza de seus olhos;

olhos de tanto mar.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Poema de Tavinho Paes

...e gira a roda dos poetas

...e gira a ciranda do sarau
na sala do solar
ao poema
o poeta sola
sua sinfonia afônica
sibilante na sílaba tônica
da voz rouca
que balbucia versos
numa escala pentatônica
no ninho do poema
qual passarinho
a poesia
põe seus ovos
voando à base de vinho
totalmente embriagada
pelas asas avoadas
que batem
na mesma tecla
uma palavra imantada
pelo eco das cavernas
onde bem dita como verbo
realiza sua cerimônia
simultaneamente
profana e sagrada
...e gira a roda dos poetas
no intervalo
de cada palavra
tanto o que se diz
quanto o que se fala
faz parte do mistério
que a poesia inscreve
em sua cabala
do livro buzinaí naïf
Editora Ibis Libris, Rio de Janeiro, 2008

Rudson Lewkyan e Joel Ferreira no Baga Cine.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Diretamente do Cel. da luliX, Joaquim, o Boa Gente falando de Leila Diniz. Isso é história. Aproveitem e boa viagem no tempo...

Algumas fotos do livro




O espírito de Leila baixou na Barra!

Uma noite espetacular!!!! Que astral... O espírito, a alegria de Leila Diniz transbordava pela diVersos. Poetas, músicos, amantes das artes, de Leila, de Joaquim participaram, prestigiaram lindamente o lançamento do livro de Joaquim Ferreira dos Santos. Ao escrever e lançar esse pedaço precioso de história e principalmente de uma mulher ousada, atrevida que fez "uma revolução na praia", Joaquim invoca a alma de Leila, resgata a memória da mais carioca das cariocas, que morreu 'aos 27 anos e marcou profundamente a nossa sociedade careta. Precisamos aprender com ela.

Alguns bons momentos de Mamma Giuli, a grande Deusa Mãe do Corujão, no lançamento do livro Leila Diniz de Joaquim Ferreira dos Santos!!!




Joel Ferreira e Mamma
Boni e Mamma

A presença luxuosa de Neville d'Almeida e Ana no lançamento do livro Leila Diniz

Joaquim Ferreira dos Santos recitando "Todas as mulheres do mundo" de Rita Lee

Lançamento do livro Leila Diniz de Joaquim Ferreira dos Santos!!!!! Um luxo!!!!!!

Joaquim Ferreira dos Santos, Leila Oli e Luciana Dau




Joaquim e Lilian, um casal Gente Boa.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008